sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Humano em farrapos


Do tiro: oitenta pílulas,
O resto humano
Que ainda há em mim
Resistiu
E mais uma vez, sobrevivo.
 
A minha tristeza
E minha dor
Atentaram contra minha vida
Fracassaram;
(não sei se por sorte ou por azar)
Acertaram a facada medicamentosa,
Mas as sobras de algo que fui
Resistiram…
Sobrevivo.
 
Sobre o vivo farrapo,
Uma solitária prisão
Encarceradas a tristeza
E a dor
Em meu coração.



A.R. Berenguer 31/08/2016

domingo, 15 de novembro de 2015

Saída de emergência

Minha melhor canção
está escrita na carne.
É triste, dita depressiva,
o que há de depressivo na solidão?
Estar em solidão
nem sempre é estar
                                                           só.

Dentro do silêncio
                                                           há tanto pensamento...
Como pensar só?
O processo não é mono
           é multi
                   é poli
                           são muitos dizeres dialogando
Um debate fervoroso de ideias...
...um perene rio de Dialética.
.
.
.
Não se pensa só.
É pneumática de postulados,
Hidráulica neuronal,
Mecânica fraseada imaginativa cinematográfica.
.
.
.
A canção de amor é triste
Melancolia de uma dor compartilhada
Uma dor conjunta à desgraça da humanidade.
.
.
.
"Não é possível ser feliz sozinho"¹
"Guardo os pulsos para o final"².





¹Christopher Mccandless, in memorian.
²Pitty em "Saída de Emergência".

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Saída de emergência

Numa escada
em meia penumbra
sobe
       e 
          desce
as escuras

Em dias de sol ou em dias de chuva
felicidade em subida
cada rol como numa escalada

Nos dias nublados
sejam úmidos
sejam mormaços
há descida
               e
               m
               q
               u
               e
               d
               a
queda livre
livre
livre tão amarrado
numa corrente de busca
busca ansiosa
por uma luz
luz!
por uma porta
porta de saída
saída dessa realidade

Mas os dias de queda
aumentam e superam os dias de sol ou chuva
e a penumbra passa a ser trevas
e nas trevas é que a luz chegou
num copo d'agua com 80 comprimidos.
Mas não obteve a saída
só uma ida a emergência

terça-feira, 15 de maio de 2012

"Nakba"

Estavam perfilados
corpos ardentes
suando protestos
gritando sua terra tomada
                                   arrancada
                                               expropriada
                                                              roubada
marchando sobre um calçamento
de sangue
de ossos
e corpos de seus antepassados


Reclamando suas tradições
hasteando seu Deus
em mastros de Fé
rezando liberdade aos locais sagrados
á sua cultura usurpada


Chorando em desespero
um acampamento imposto
em terras tomadas
                     arrancadas
                             expropriadas
                                        roubadas
ocupadas pelos seus vizinhos-algozes




Na
Esquina
À espreita
Uma corrente
De corpos armados
Os mesmos que os roubaram
Policiavam em segredo
E responderam
Com bombas
E balas
Os
Protestantes

As bombas estouram jogadas por seus vizinhos
As balas rasgam o ar de suas terras
E o ódio religioso-cultural
Se resume em um duelo injusto
como todo contexto
armotricinado pelo seu Tio querido, Sam:
Um policial com fuzil e granada
                  X
Um protestante com uma pedra na mão.